arquivo

Arquivo da tag: Traduções

por Charlie Amber, do Daily Zen

Usar a linguagem para descrever certeiramente experiências diretas é como tentar fazer tiro ao alvo debaixo d’água

Meditação é uma prática maravilhosamente desafiadora para a pessoa dos dias de hoje porque ela desafia todas as nossas noções culturais de valor. Somos ensinados a gastar dinheiro com entretenimento elaborado e gadgets. A prática mais divertida e gratificante de todas é simplesmente sentar em silêncio e deixar sua mente reorganizar-se em algo autônomo.

Uma vez que você medita por tempo o suficiente, não há necessidade de divertimento forçado ou experiências supérfluas. Você pode continuar com o seu dia como se fosse uma obra de arte, experimentando tudo com uma plenitude nunca antes imaginada. Isso acontece porque precisamente a meditação nos permite transcender barreiras de sinais e símbolos.

Quando você ensina a sua mente a deixar seus pensamentos desaparecerem, você chega até a experiência direta. Esta é a experiência de vida desimpedida pelas representações. Ao invés de ficar olhando interminavelmente no menu, você de fato tem a refeição. Ao invés de ler a tela do GPS, você faz a trilha. Como foi dito, “o mapa não é o território”. A meditação ensina o seu cérebro de macaco olhar a frente do seu mapa e perceber que você está cercado por um lindo território.

Linguagem é como um intermediário entre o indivíduo e a experiência. Ela rouba de nós um pouco cada vez que a usamos. É boa para comunicação, estudos introdutórios, e pouca coisa mais. Linguagem é uma rua sem saída no final de uma estrada muito, muito longa. Use-a para o que ela serve, mas trabalhe no sentido de divorciar sua mente dos seus pensamentos. Experiência direta é comida, e seus pensamentos são merda. Você precisa deixá-los sair para poder ter lucidez.

Texto originalmente publicado no blog Graphic Descriptions, da Stoya.

Há algumas semanas atrás eu disse “realmente não existe um jeito legal de explicar pra uma pessoa que você não se importa muito com o tamanho do pau dela ou com sua intumescência”. Isso pareceu ser amplamente entendido como um comentário sobre fotos de paus não solicitadas, mas eu apenas coloco no mute ou bloqueio as pessoas que me mandam isso. No twitter, no meu celular, se eu não tenho uma forma de desligar comunicação não solicitada, eu tendo a evitar a tecnologia.

Eu me referia ao pênis tímido ou relutante. O pênis preso a uma pessoa que pensa que deve prover uma ereção de pedra ao mínimo indício de desejo sexual do parceiro. Preso àqueles que se desculpam muito pelo que eles interpretam como um isulto ao meu fascínio físico, o que eles temem é um fracasso em ir ao encontro de requerimentos básicos.

Encontro os portadores desses paus complicados bem regularmente na natureza. A coisa com a qual eu luto é em como comunicar gentilmente o fato de que em ambiente recreacional eu realmente não me importo.

Um pau duro não é a chave para uma interação sexual agradável ou gratificante. Eu não tenho nenhum pau e sei fazer me sentir muito bem quando tenho vontade. Ter um orifício inferior penetrado por um pau aumenta os riscos do sexo. Uma camisinha pode estourar, causando uma afobação para realização de testes de DST e uma ida até a farmácia para o plano B. Mesmo se a camisinha ficar intacta, a coceira no outro dia devido à abrasão pelo latex é uma das minhas sensações menos favoritas.

Quando essas pessoas com corpo de macho começam a se estressar, eu digo “É totalmente ok. Se isso se apresenta como uma opção viável para penetração vaginal pode ser divertido, mas existe todo um outro espectro de coisas que poderíamos estar fazendo” e eles dizem “obrigada por ser tão legal” enquanto não acreditam em nada do que eu disse e se estressam duplamente. Eles ficam presos em suas próprias mentes em relação a isso. Sua masculinidade fica ameaçada pela sua própria aderência a uma concepção formulaica de sexo heterossexual.

Mas na minha cama, a pessoa com o órgão semi ou totalmente flácido é a única focada na ausência de intumescência. E eu nunca encontrei uma forma boa de comunicar a minha falta de preocupação com isso de modo em que acreditem em mim.

Até recentemente, quando um homem respondia exuberantemente à minha boca e mãos encolheu ao sugerir penetração da minha vagina, a sua glande roxa desaparecendo em seu prepúcio em desacordo com suas palavras. Ele começou a pedir perdão, se desculpar, mas então perguntou se poderia me chupar.

Com as minhas costas arqueadas e ambas pernas tremendo em volta do pescoço dele, com dois de seus dedos gentilmente acariciando (mas não machucando) a parede frontal da minha vagina e sua lingua gentilmente acariciando o meu clítoris. É assim que o argumento “viu só, quem precisa de pau?” é confirmado de modo eficiente.

x

Stoya

09STOYA-master675

EU NÃO ESPERAVA me tornar uma atriz pornô. Raramente esperam. Eu tinha 19 anos e o meu colega de quarto fotógrafo tinha um projeto de um website para comprar fotografias de nudez. Fizemos algumas fotos e esperamos duas semanas caso eu acordasse em pânico com a ideia de divulgar fotos nuas minhas pro mundo. Mas eu não entrei em pânico e então fui lidar com a papelada. Um dos campos do formulário para preenchimento era “Nome artístico (Quando aplicável)”.

Nomes artísticos são comuns na indústria de entretenimento – seja em Hollywood, no rap ou na pornografia – e eles são usados por todos os tipos de motivos. Mas numa época em que as pessoas podem ser o que querem na Internet, quando estamos todos negociando quem somos em qual contexto e para qual audiência, de alguma forma a combinação de uma mulher cujo trabalho é a fantasia e o seu nome artístico fantasioso pode tirar as pessoas do sério.

Considerem a recente histeria em relação à universitária da Duke University que estréia como estrela de um filme adulto. Embora não tenha demorado muito para que essa notícia tenha chegado aos seus colegas e pessoas desconhecidas, para que eles pudessem alegremente publicar seu nome legal online, “a estrela pornô de Duke”, como ela foi chamada pela mídia do Forbes ao The Guardian, tentou controlar como ela será chamada e onde. Ela usou o pseudônimo Lauren quando deu entrevistas e o pseudônimo Aurora como nome artístico nessas mesmas entrevistas. Finalmente, essa semana, ela admitiu o seu nome artístico verdadeiro – Belle Knox.

A coisa toda não precisa ser tão dramática quanto as pessoas pensam. Para mim, escolher um nome artístico pareceu não tanto algo para esconder a minha identidade (especialmente uma vez que eu tinha acabado de compartilhar meu CPF com estranhos), mas algo mais como decidir por um nome de usuário na Internet para qualquer serviço ou website.

Escolhi Stoya porque já estava lá. Era um diminutivo do nome de solteira da minha avó, e minha mãe considerou me dar esse nome antes de me nomear Jessica Savitch, a âncora do jornal. Falado em voz alta, Stoya tinha um equilíbrio agradável entre feminilidade e força. Eu senti como se fosse meu de direito por conta da minha história familiar. Um agente de seguros apropriou-se do domínio stoya.com, mas eu nunca achei que eu fosse precisar de um site próprio.

Eu não era uma sex symbol voluptuosa ou amazona glamourosa exótica. O quão grande poderia ser o mercado para jovens adultas magrelas e com gostos para indumentárias malucas? Esperei que meus orifícios pudessem ser assistidos em alta definição por qualquer um com uma conexão à Internet. Não esperei ter uma carreira como performer em vídeos hard-core, muito menos ver fotos de mim mesma em capas de revista ou ser regularmente conhecida na rua. Seria mega narcisista assumir que 150 mil pessoas me seguiriam no twitter por conta do seu trabalho com pornografia. Mas oito anos depois, foi exatamente isso o que aconteceu.

Nem todo mundo que faz filmes adultos usa nome artístico. Tera Patrick diz que mudou seu nome original para seu nome artístico legalmente. Alguns usam todo o seu nome original; outros mantém seu nome original e utilizam um sobrenome sugestivo ou único. Algumas pessoas ainda usam Love ou Star, às vezes com grafias criativas, e eu apoiaria uma proibição de 10 anos da interação de qualquer uma dessas palavras.

Juntamente com desejos de se diferenciar de artistas em campos similares, aumentar a facilidade de pronunciação e escrita ou transmitir uma certa imagem, alguns artistas apropriam-se sim de nomes artísticos pelo propósito de serem reconhecidos com mais dificuldade. Isso possivelmente deve ter funcionado nos anos 70, mas com o fácil acesso a quantidades absurdas de conteúdo adulto na Internet e a facilidade com a qual todos nós podemos encontrar petiscos suculentos de informação sobre o passado alheio online, eu não acho que isso tenha mais tanto efeito assim.

Faço parte do conselho do Adult Performer Advocacy Committe, que oferece educação entre pares e apoia o direito dos artistas. Na introdução do seu vídeo Porn 101, meu colega explica: “Há uma grande chance de que todo mundo que você conheça vá ver essas imagens, ou ao menos descobri-las”, e “você não pode esperar que seu nome original permaneça um segredo, e um nome artístico não vai enganar ninguém que te reconheça”.

Meu nome artístico tem menos a ver com esconder a mim mesma ou manter a minha privacidade do que é um símbolo da ideia de que eu sou mais do que o meu trabalho ou qualquer outra fatia isolada da minha identidade.

Os estranhos que me chamam de Jessica em aparições públicas se esforçam demais. Eles pronunciam o nome como se eles possuíssem uma informação que é segredo de Estado. Tudo o que eles estão fazendo é me deixar saber que eles gastaram 30 segundos no Google e não tem nenhum senso de decoro – o que parece engraçado vindo de uma mulher que desconsidera isso flagrantemente. Eles geralmente são as mesmas pessoas que se referem aos meus orifícios como “aquilo” ao invés de “seu/sua”, como se a parte do corpo em questão estivesse isolada ao invés de pertencente a uma pessoa com livre arbítrio e autonomia.

Sim, há um paradoxo aqui onde eu, por vontade própria, faço parte de trabalhos que me reduzem a poucas facetas sexuais de mim mesma, mas ao mesmo tempo espero ser vista como uma pessoa multifacetada fora desse trabalho. Participo de uma ilusão de fácil acesso físico e às vezes os produtos associados com aquela ilusão – os vídeo clipes e réplicas de silicone dos meus órgãos sexuais (sério, e eles são populares o bastante para garantir a maior parte da minha renda) – existem de fato, sem estarem atrelados a uma pessoa com livre arbítrio e autonomia.

Mas esta mesma falta de contexto é algo que qualquer um de nós pode passar. É o que acontece quando qualquer tweet impensado ou foto constrangedora de Facebook se torna viral. Há dez anos atrás, eu julgaria as pessoas pelo curso de várias conversações. Agora eu as avalio baseada em alguns trechos de sua presença nas redes sociais. Retrate-se você como um símbolo sexual profissional ou um membro moralmente honrado do PTA, todos nós fazemos este tipo de auto-branding agora. 

Talvez fosse mais fácil navegar por entre os limites de dissolução entre espaços públicos e privados se todos tivéssemos uma variedade de nomes com os quais sinalizássemos os aspectos de nós mesmos atualmente exibidos. E talvez devêssemos nos lembrar que o nosso primeiro vislumbre de uma pessoa é apenas uma pequena parte de quem ela realmente é.

Stoya é uma artista de filmes adultos e escritora freelancer.

Versão original: Can We Learn About Privacy from pornstar?, no NYT.

tumblr_mujim6oKOF1qa578so10_1280

Lembre-se da pergunta que o seu professor de história fez naquela manhã que você passou chorando em seu escritório. “Você pode amar alguém à distância?”. Lembre-se que pareceu impossível.

Voltem.

Terminem,

Voltem.

Terminem.

Faça longas voltas com o carro. Frequente livrarias. Beba café e ouça música clássica no seu carro quando chover. Apenas quando chover. Compre vários álbuns de indie folk e associe-os para sempre a esta fase da sua vida. Ouça-os quando seu coração precisar se lembrar desta fase. Seja consumida pela sua tristeza. Use-a como combustível para a sua arte. Odeie a sua arte.

Se apaixone por um menino estranho e quieto. Deixe que ele fotografe suas mãos enquanto você toca piano em uma loja de consignação. Se apaixone de maneira muito forte. Perceba que ele tem muros que vc jamais será capaz de ultrapassar. Tente de qualquer modo. Falhe. Empreste a ele o seu livro favorito. Peça de volta quando ele disser que ainda não começou a leitura. Procure bandas obscuras para relacionar a ele. Desista por hora.

Lembre-se de alguém que você conheceu há alguns anos atrás. Ande pela sua cidade vazia de noite com ele e ouça-o falar sobre filmes B dos quais você nunca ouviu falar. Faça uma nota mental para assisti-los. Beije-o num banco de um parque porque ele é charmoso. Vá rápido demais. Encontre-o uma semana depois em uma loja de conveniências e compre uma caixa de chás superfaturada. Vá para casa com ele. Perceba que ele tem um poster de cinema em seu quarto. E vários livros. Coloque-os numa coluna que diga que isso é uma boa idéia. Permaneça levemente não convencida. Veja você mesma depois. Sinta-se usada. Procure-o para mais. Empreste a ele o seu livro favorito. Se canse da sensação ruim em seu estômago. Diga a ele que você não pode mais fazer isso. Espere um mês antes de pedir o seu livro de volta. Ele não vai ter lido mesmo.

Visite o garoto que você gostava quando você tinha uns 15 anos para assistir um filme. Fiquem abraçadinhos enquanto assistem o filme. Esqueça o filme. Perceba mais tarde que aquilo não significou nada. Faça de novo.

Voltem a ficar juntos.

Passe um verão conhecendo um ao outro de novo. Não terminem completamente quando setembro começar. Esperem até dezembro.

Terminem.

Não voltem a ficar juntos.

Visite o menino que você gostava quando tinha 15 anos quando você estiver se sentindo sozinha.

Visite o menino estranho e quieto tarde da noite. Vá para o seu quaro e note as luzes de natal não características colocadas na parede. Beije-o e note que ele está com hálito de torta de abóbora e uísque. Ouça Depeche Mode enquanto estiver na cama dele. Pense que a vida é um filme. Peça a ele para pular a música de amor porque você sabe que não é assim. Isso não tem nada a ver com amor. Faça isso mais algumas vezes. Perceba que isso não significa nada. Diga a si mesma que você sabia disso o tempo todo. Faça uma pintura das palavras mais doces que ele falou pra você: “eu não faço nada por você”. Considere deixar esta frase na porta dele. Decida, ao invés disso, manter esta frase como um lembrete. Esqueça.

Ande pela cidade com um garoto apenas porque você achou que ele era engraçado. Ande de um jeito esquisito com o braço dele no seu ombro. Sente em um banco e fique com torcicolo enquanto ele te beija. Diga a ele que está cansada. Manda uma sms dizendo “Claro!” quando ele diz que vcs deveriam sair de novo qualquer hora dessas. Evite-o. Lembre-se de tempos em tempos que ele ainda te deve 13 reais.

Beba uma garrafa de vinho tinto em seu quarto em uma hora. Atravesse a faculdade para ver sua amiga. Faça com que ela te leve de volta pra casa assim que você chegar lá. Pense que talvez isso é que seja amor.

Conheça um cara na internet. Concorde em deixá-lo vir no seu quarto no meio da noite. Nunca mais ouça falar dele novamente. Fique com um estranho sentimento de realização de uma relação de apenas uma noite. Tente não se sentir usada.

Encontre amor inesperadamente. Passe as primeiras semanas do seu relacionamento bebendo cerveja e se agarrando. Seja a garota que a família dele adora. Faça pão pra ele. Se apaixone profundamente.

Estude na Espanha por três semanas. Passe suas noites no pub da esquina. Fale com o seu amor o quanto for possível. Sente no pub e assista futebol com um cara do seu grupo. Beba cuba libre e decifre poesia espanhola. Desfrute da companhia silenciosa. Este é o tipo bom de solidão.

Volte para casa para o seu amor e compartilhe o verão.

Pensem em suas vidas juntos.

Vão para escolas diferentes quando agosto chegar.

Passem todos os finais de semana na cama dele. Façam brunchs. Assistam muita televisão.

Perceba que ele não te diz mais bom dia.

Beba muito e comece brigas idiotas. Não tomem mais banhos juntos. Sinta que ele te puxa pra perto dele enquanto ele dorme. Entenda que isso é apenas um hábito.

Perca-o.

Passe alguns dias na cama.

Vá ao apartamento dele para pegar suas coisas. Chore nos braços dele. Perceba que agora ele tem feito faxina. Pergunte-se por que. Deixe algo lá de propósito para que você tenha uma desculpa de vê-lo novamente.

Acorde no sábado de manhã e veja que ele está em um “relacionamento sério”. Pegue o carro e dirija 113 quilômetros em linha reta. Volte.

Visite-o no outro dia para saírem. Perceba que ele lavou a roupa de cama. Tente aceitar o fato de que o seu corpo não permanece mais na cama dele. Pergunte-se se algum de vocês ainda permanece no coração dele. Olhe para ele um pouco apaixonadamente. Deixe-o desconfortável e faça com que ele peça para você ir embora.

Passe tempo com um garoto que te levou pra casa uma noite. Almoce com uma amiga. Fique acordada até tarde assistindo declamações de poesia. Vá beber uma cerveja com o menino que quebrou seu coração. Tente não ficar chateada quando ele fala sobre ela.

Chame isso de enfrentamento.

Ame-o à distância.

Tenho pensado muito em algumas coisas da minha vida das quais não consigo me desapegar simplesmente e em todas as vezes que penso nisso eu encontro a mesma resposta … É porque não quero me sentir vulnerável.

A vulnerabilidade é aterrorizante. É expôr-se e se permitir ser empurrado e até mesmo derrubado. É permitir-se se abrir; dar espaço para algo novo – algo que terá o potencial de te destruir.

Mas não é esta a questão?

Às vezes precisamos ser quebrados para que possamos nos quebrar de uma vez e assim nos tornarmos livres. Assim, podemos crescer. Crescimento não acontece se você não se arrisca ou se apenas se apoia em coisas que já não te servem. O primeiro passo para o crescimento é a vulnerabilidade. É fazer a escolha consciente de fazer algo novo e diferente.

Mesmo que isso signifique um novo fracasso.

E a vulnerabilidade nem sempre significa que você vai falhar ou se machucar.

Às vezes você se abre e coisas boas começam a se desdobrar à sua volta.

De qualquer forma você tem que estar vulnerável primeiro pra que isso aconteça.

Juro nunca mais ser gentil
Para sempre ser severa
Pois o amor é difícil de lidar
Pois o amor lhe roubará a visão
O fardo da santidade
A tentação em ajoelhar-se
O medo mudo de ser pega
Em vapores de pecado

Nós cantamos do vácuo
Nós queimamos com amor
Tão estranhamente melancólicos
Tão estranhamente completos
Em algumas horas ébrias
Em algumas palavras céleres
De nossas bocas salivantes
Perdermos tudo para que aqui viemos

Se você fosse meu
Eu coraria um pouquinho
E morreria

[Rome, Das Feuerordal]

Pobre humanidade! Abandonada num problema que ela mesma criou e, uma vez que nada foi feito para resolvê-lo, agora se encontra numa espiral de redemoinho rumo à inconsequência. Alguns dizem que isso pode acabar – essa aparentemente eterna rede de lojas, casas, estradas e fiações – mas outros apontam como isso tudo é um castelo de cartas que poderia facilmente ceder e cair se qualquer uma das suas fundações desaparecesse. E triste, triste humanidade: muitas de suas fundações são meros conceitos.

Pela Experiência

Em nosso ocupado e “importante” mundo moderno, tudo está acabado por um motivo. E aí está o problema. Nossos motivos devem ser materiais, tangíveis: dão lucro, as pessoas gostam, alcança um resultado, muda um número numa folha em algum lugar. Não há espaço para a experiência que se justifica em si mesma, como se apaixonar, ou andar por uma noite estrelada, a emoção e horror de uma batalha, o aroma fresco da primavera numa floresta. Tudo deve produzir resultados mesuráveis, como num museu, e deve justificar-se de acordo com os objetivos gerais de (a) dinheiro ou (b) popularidade. Consequentemente, nós aprendemos desde a mais tenra idade a mentir e entender que quase tudo produzirá esses objetivos.

Nós esquecemos como aproveitar a vida, e onde poderíamos ser reis de nosso mundo, ao invés disso somos inquilinos. Aquilo que não tem uma justificação está inteiramente fora do nosso radar e invisível, entretanto aqueles que escolhem perseguir isso são vistos por nós como insanos, ou simplesmente hobbystas. Nós queríamos apenas que eles conseguissem empregos e competissem  bem como o resto. Deve haver algo errado com eles, por que eles não fazem o que o rebanho reconhece – todos concordamos, certo? –  como ser um caminho inteligente para um indivíduo tomar. E qualquer um que pense fora do individual? Um maluco, com certeza.

A melhor parte de nosso sistema moderno sem experiência é que o aplicamos em nós mesmos. Ele não tem um único líder ou centro de autoridade que possa cair; ao invés disso, com todos nós trabalhando pelos nossos próprios interesses materiais, ele é apoiado. Seja trabalhando como zeladores ou executivos, nós aplicamos o mesmo dogma em quem quer que seja. E é bom que façamos isso – mantém o sistema correndo, e sem ele, nós estaríamos morando em cavernas ou coisa do tipo. Eu acho. Se você não trabalha pelos seus interesses, alguém mais irá  aparecer e tirá-los de você, 100% legalmente, é claro. Isso é um tipo de evolução que é melhor que a evolução; chamamos de Darwinismo Social.

Experiência, como você pode ver, não tem função. Não produz nada. Onde está o produto saindo da linha de produção, os cifrões, ou a propaganda na TV? Se você possui coisas como experiência, é como ser um viciado em drogas, e você empobrece a si mesmo com nada a mostrar, por que o resto de nós não está iludido. Nós vamos continuar assim enquanto estiver bom, por que nunca se sabe por quanto tempo mais isso tudo vai durar. Você sabe?

Dominados pela Mediocridade

Nós relutamos em reconhecer a diferença entre valores das pessoas publicamente. É ofensivo; viola a idéia de que nós somos um mundo em nós mesmos, ou que, independente de material cru, poderíamos nascer para sermos um imperadores, ou simplesmente zeladores. Independente disso, mesmo se odiamos zeladores e pensamos que eles são desprezíveis, fingimos em público que todos somos importantes, mesmo que possamos ser substituídos por outros trabalhadores, trabalhadores mais baratos de terceiro mundo, ou ainda mais baratos, robôs. Isso não pode ser mencionado em voz alta. Publicamente, nós não reconhecemos que há diferença de valor entre os indivíduos.

Como não podemos comparar indivíduos, nós aceitamos qualquer um (Você pode imaginar um CPU que não pudesse comparar números? Seria um computador ineficiente). Uma vez que devemos aceitar qualquer um, nós acreditamos na ficção de que somos todos iguais em público, é claro. Mas por que nosso poder é afirmado em lugares públicos, é agora parte de nossa política: vocês são todos iguais e todos importantes, e tudo pode ser qualquer coisa de zelador à imperador – não foram nascidos imperadores, ou zeladores. Todos são livres. Et cetera. Por que nós não podemos dizer que uma pessoa é mais importante que outra, nós somos dominados pelos idiotas.

Pense nisso: como você não pode rejeitar nenhuma idéia, você deve achar um compromisso que aceita todas as idéias, exceto as completamente insanas (Devo assassinar minhas seis crianças em nome de Satã). O único compromisso que você achará é uma ideologia que sugere a aceitação de todas as idéias. Um grande loop? É isso aí; e o compromisso se torna o mínimo denominador comum, então tudo é nivelado e logo as pessoas inteligentes começam a se comportar como idiotas. Ah, igualdade – semelhante à mediocridade, e alimentada pelos nossos egos, e a nossa necessidade de sermos reconhecidos e de negar – negar! negar! – que nossos próprios corpos contenham mentes, por que se isso fosse verdade, não apenas a morte seria significante, mas nós também seríamos cada um marcados como zelador, imperador ou coisa do tipo, mesmo antes de nascermos. Não é justo – cheira à morte – mande embora.

Sempre existirão mais idiotas do que pessoas inteligentes. Se você der à eles poderes iguais, logo eles arrastarão tudo ao nível deles. E então a mediocridade invade. A mediocridade restringe o crescimento de coisas melhores, mas encoraja o crescimento da população e economia. Nossa tecnologia cresce, mas é aplicada de formas medíocres; as pessoas parecem cavidades oculares ocas e atividades cerebrais nulas. Serão eles zumbis? Uma coisa é certa: eles nos tornaram todos escravos ao seu mínimo denominador comum.

Somos verdadeiros escravos da mediocridade. Não há nada a ser feito, a não ser tirar deles seu poder, ou matá-los – sério, quem irá se importar em 500 anos, se a humanidade sobreviverá? Quando alguém morre, eles são esquecidos, e tudo bem, uma vez que mais pessoas nascem. Não temos carência de pessoas. Mas a maioria das pessoas novas são idiotas, e a percentagem está aumentando, uma vez que ser um não-idiota nessa sociedade é insano. Eles todos nos farão escravos da mediocridade. Esqueça a guerra de classes, esqueça a guerra racial, é tempo de guerra eugênica – se todos os idiotas morressem, pensar seria legalizado novamente.

Domination by Mediocrity, traduzido do site anus.com

por Steve Pavlina

Do outro lado do espectro de Viciados em Auto-Ajuda, nós achamos os Cínicos de Auto-Ajuda. Cínicos de Auto-Ajuda são pessoas que se tornam completamente desiludidas com qualquer coisa que seja associada a desenvolvimento pessoal. Eles colocam todo esse campo como nada que não seja um grupo cheio de charlatões e salafrários. Cínicos não aceitam a idéia de que as pessoas podem realmente mudar através de intenção consciente. Eles são quem são, e não há nada que pode ser feito sobre isso.

Céticos versus Cínicos

Como o oposto de um cínico, um cético é duvidoso mas ainda é mente-aberta e lógico o suficiente para considerar uma nova alternativa. Céticos buscam primariamente a verdade através do processo de fazer perguntas. Às vezes a verdade real não pode ser identificada tão facilmente, então o cético deve aprender a viver com ambiguidade e incerteza na maior parte do tempo. Para o cínico entretanto, a mera existência da dúvida é a causa imediata para taxar um campo inteiro como errado. Se você tenta conversar com um cínico sobre suas crenças, você geralmente recebe algum argumento bem emocional e de mente-fechada, mas pouco lógico.

Eu acho que qualquer campo deveria dar boas vindas aos céticos de braços abertos, mas é difícil para um campo como auto-ajuda lidar com cínicos por que eles veementemente resistem à mesma natureza de crescimento consciente, especialmente a idéia de buscar ajuda com outros. Crescimento consciente requere um grau de abertura e vontade para tomar riscos razoáveis, mas cínicos ainda não alcançaram sentimentos ou segurança o suficiente para superar seus medos. Isso é tipicamente uma forma mais lenta e dolorosa de crescer, mas a resistência dos cínicos ao crescimento é um exercício de futilidade. Crescimento vem de mudanças, e a mudança é inevitável.

Na minha própria vida, eu fico feliz por interagir com céticos genuínos. Eu tenho muito respeito pelos céticos de mente aberta. Geralmente me considero um cético por que eu não tenho tendência a confiar em novas idéias até que eu as tenha aplicado e passado pela experiência dos resultados em primeira-mão. Eu confio na experiência direta mais muito mais do que na advertida por terceiros. Por exemplo, eu acredito em projeção astral por que eu fiz isso várias vezes. Se eu nunca tivesse passado por essa experiência, eu custaria a entender isso. Existem muitos céticos que postam nos fóruns aqui, e eles geralmente ajudam participantes a manter as discussões baseadas na realidade, injetando senso comum e questões relevantes. Céticos são ótimos em equilibrar aqueles que têm crenças muito fortes (mas talvez publicamente improváveis). Algumas discussões muito interessantes se dão. Eu geralmente gosto de discutir idéias com céticos inteligentes por que o processo me ajuda na minha própria busca por crescimento. Eu não tenho tempo para endereçar todas as questões que são endereçadas a mim, mas eu aprecio que existam sempre pessoas na minha vida que irão questionar minhas idéias, ações e intenções. Toda vez que eu faço algum post pro blog, é como se eu tivesse um grupo de amigos beta-testers que me ajudam a descobrir se existem alguns bugs.

Com certeza existem sombras de cinza entre ceticismo e cinismo, mas eu acredito que o que pinta a linha divisória entre eles é a mente fechada do cínico. Onde um cético engajaria num debate aberto para buscar a verdade, o objetivo do cínico é fazer com que todo mundo esteja errado. Às vezes cínicos tentarão se esconder por trás de um banner de ceticismo, mas quando suas idéias são confrontadas, eles eventualmente se auto-destróem com refúgios emocionais e de mente-fechada. Em nossos fóruns, os céticos geralmente fazem contribuições valorosas e significativas, enquanto cínicos acabam sendo banidos por violarem as regras do fórum por resumirem-se a ataques pessoais, trolling ou seqüestro de tópicos. Eles não podem fazer nada sobre isso, entretanto, por que é da natureza do cínico manifestar subconsientemente sua própria rejeição de tal comunidade para poder provar as suas crenças pré-conceituais.

Os motivos dos cínicos

Eu acho que existem várias razões que os cínicos achem necessário atacar e denegrir aqueles que buscam por crescimento pessoal:

  • Impotência – Cínicos geralmente estão em negação sobre partes de suas vidas que eles não têm coragem ou habilidade pra mudar. Eles acham efetivamente impossível fazer as mudanças que sentem ser necessárias ou importantes, mas não estão a vontade para aceitar isso por que os faz sentir impotentes. A solução inteligente, que os cínicos rejeitam, é entender o problema e o resultado desejado, mesmo que não exista solução possível. Um problema sem solução aparente ainda é um problema, uma condição a ser aceita. Como notado no “A Coragem de Viver Conscientemente”, a habilidade de aceitar a existência de problemas indissolúveis em nossas vidas é o que ultimamente cria a força e habilidade de resolvê-los. Cínicos preferem a ilusão de perfeccionismo à realidade de desafios sérios; a longo prazo, entretanto, isso apenas os deixa mais fracos.
  • Insegurança – Cínicos tentam fazer a si mesmos se sentirem mais seguros se cercando de pessoas que estão no mesmo barco, por exemplo, pessoas que estão perdidas e não parecem estar crescendo muito. Cínicos encontram segurança em números. Isso envolve desencorajar e persuadir os outros de novas buscas que eles podem conseguir. O cínico é terrívelmente preocupado sobre ser deixado pra trás e se sente ameaçado pela tentativa dos outros de avançar. O cínico na sua vida irá ter um interesse gentil para que você mantenha o estado de mediocridade o máximo possível. Um cínico pode te dar uma mãozinha quando você estiver pra baixo, mas ele não irá ajudá-lo a superar o problema. Ser abandonado pelas suas pessoas próximas é um dos maiores medos de um cínico. Ultimamente o cínico está lutando uma batalha perdida, uma vez que é impossível achar segurança genuína numa posição estática. Mas isso não faz com que o cínico pare de tentar, de qualquer forma.
  • Medo do Desconhecido – Cínicos que temem mudar podem estar preocupados que o crescimento de outros em volta deles irá acabar com a sua confortável rotina. Mudança, no entanto, é inevitável. Resistindo a mudança o cínico irá apenas atrasá-la, e geralmente quando a mudança finalmente ocorrer, ela será incrivelmente potente – uma quebra massiva ao invés de uma mudança sutil.
  • Medo de Rejeição – O cínico pode interpretar o desejo dos outros de crescerem como rejeição pessoal. Por exemplo, se você se compromete em mudar a sua dieta e perder peso, o cínico acima do peso na sua vida pode perceber sua decisão como uma rejeição de suas próprias escolhas. Isso também pode levar a inveja, se o cínico sente que está sendo deixado pra trás.

Eu tenho muita compaixão pelos cínicos, e felizmente eu vi alguns deles sair de seu cinismo nos últimos dois anos. É meio triste quando um cínico ultrapassa a barreira e se torna um Viciado em Auto-Ajuda (outra forma de negação), mas eu adoro observar os cinicos abrirem as suas mentes um pouquinho para um ceticismo mais saudável. É preciso de muita coragem pra um cínico chegar a fazer isso. Na verdade, é preciso de muita coragem pra qualquer pessoa admitir pra si mesma “Eu não estou encontrando nenhuma alegria nesse caminho. Eu tenho buscar outro”.

Lições Cínicas

Mesmo eu não os convidando pra jantar, eu me sinto grato pelos cínicos de auto-ajuda na minha vida por que eles me lembram de não cair na armadilha de me tornar tão apegado à uma idéia a ponto de me fechar para novas possibilidades. Quando eu sinto que preciso emocionalmente defender minha posição de alguma forma ao invés de explorá-la de mente aberta, eu reconheço que estou lidando com a minha parte cínica que precisa estar certa. Então eu lembro a mim mesmo que eu não sou minhas idéias e eu não preciso defendê-las como tais.

Cínicos também nos lembram que nós precisamos buscar resultados realistas, mesuráveis e não cair como vítimas no padrão de auto-ilusão dos viciados em auto-ajuda. O viciado irá rotular erroneamente o ato de dar voltas como uma experiência de crescimento, enquanto o cínico irá dispensar tudo como falha ao progresso. Mas quando você começa a pensar sobre quando os resultados de seu crescimento pessoal não são fortes o suficiente para incitar um cínico a ter uma explosão emocional, então você sabe que você está chegando em algum lugar. :)

Por mais estranho que pareça, quanto mais eu tenho sucesso eu tenho na minha própria busca de crescimento, mais cínicos eu vejo a minha volta. Foi dito que sucesso é a melhor vingança, mas é também uma forma de superar a baixa-consciencia de cinismo. A presença de pessoas que estão sucedendo em seu esforço de crescimento ajuda a levar os cínicos à questionar o seu próprias limitações auto-impostas e começar perguntando as questões que eles tem evitado por tanto tempo. Como você possui o seu próprio crescimento, você inevitavelmente achará que você infecta outros com a busca de crescimento de consciência também. Quando você eventualmente infectar um cínico, é uma boa visão a se manter.

Crescimento Otimizado

A existência de Viciados em Auto-Ajuda e Cínicos de Auto-Ajuda nos diz para buscar o meio termo entre credulidade de um lado e total mente-fechada do outro. Ambas não são estratégias boas. Se você for muito solto, você busca por muitos maus caminhos por muito tempo. Se você for muito rígido, você perde algumas grandes oportunidades para um avanço genuíno. Enquanto todo mundo tem o seu ponto favorito nesse continuum, eu geralmente prefiro errar no lado de ser muito solto. Prefiro sofrer algumas derrotas extras, falhas, e perdas para então descobrir oportunidades e ganhar experiências que de outra forma eu poderia ter perdido. Às vezes esse comportamento funciona. Às vezes não. Mas com certeza é divertido.

Recomendação de tradução feita por Fabiano Caruso. Obrigada Fabiano. ;D

por Steve Pavlina

Você já encontrou um viciado em auto-ajuda? Um viciado em auto-ajuda é alguém que lê livros de auto-ajuda compulsivamente, vai em seminários bem mais do que seu bolso permite e é fluente no linguajar de auto-ajuda; Entretanto, quando você olha pra vida dessa pessoa objetivamente, ela tem muito pouco a mostrar nesse sentido a não ser uma estante de livros cheia e uma coleção de posters motivacionais.

Talvez você conheça tal pessoa muito bem. :)

Para um viciado em auto-ajuda, a busca por desenvolvimento pessoal se torna uma forma de escape e, no mínimo, uma forma de procrastinação e no máximo um sério vício. O viciado evita lidar com o problema real de sua vida para então abraçar a fantasia ilusória de que ler livros e ir a seminários é alguma forma de progresso ou terapia, um fim que termina em si mesmo.

Mas apesar da montanha russa emocional que esse comportamento pode criar, na maior parte do tempo essas mudanças positivas nunca se materializam. Ano após ano os viciados em auto-ajuda devoram volumes de material enquanto a aplicação prática de tal conhecimento permanece além do horizonte. Sua saúde, finanças, relacionamenos e nível de ciência não mudam, mesmo depois de anos de presumidos esclarecimentos que poderiam mudar suas vidas. Esse enorme investimento em auto-ajuda nada mais é que masturbação mental.

Bem como viciados em droga, os viciados em auto-ajuda alimentam o seu vício por digerir mais e mais material que o faça sentir bem. Eles ficam absortos no sentimento emocional que vem da leitura de material entusiástico, mas esses sentimentos não resolvidos de vazio e dúvida sempre voltam no final. Por um breve tempo esses devotos podem manter a ilusão de ação, fazendo exercícios, fazendo quizzes, fazendo posts e recitando afirmações diárias. Mas quando eles estão pra começar a fase da ação real – do tipo que produz resultados visíveis – de alguma forma eles sempre se destraem e no final o resultado não é nada além de oba-oba.

A realidade começa a intervir, o desejo escapar para o abraço aconchegante daqueles pensamentos positivos voltam mais uma vez, e o ciclo continua.. Geralmente por anos.

Infelizmente existem muitos livros de auto-ajuda que prontamente alimentam esse vício, livros que substituem idéias trabalháveis e passíveis de ação com conversinhas felizes sem sentido, clichês insípidos, e histórias infladas de triunfo pessoal. Tais livros invariavelmente prometem resultados “rápidos e fáceis”. Mas a prosa mais substancial em tais livros é frequentemente devotada a persuadir você a ir em um seminário caro, onde os viciados comprometidos podem conseguir melhorias ainda maiores, esvaziando suas carteiras largamente em troca de um sorriso efêmero.

Crescimento verdadeiro ou vício ilusório?

Sugerir que a busca de crescimento pessoal é ruim por causa da existência de viciados em auto-ajuda é como dizer que comida é ruim por que existem viciados em junk food. Os então chamados “viciados em comida” valorizam o gosto e a saciedade de comida mais do que seu valor nutricional; se a comida é saudável e nutritiva não faz muita diferença contanto que tenha um gosto bom e caia bem no estômago. Similarmente, os viciados em auto-ajuda se tornam fixados na loucura emocional associada com crescimento pessoal; aconteça ou não qualquer crescimento pessoal é menos importante contanto que a experiência pareça boa por um certo tempo.

Como seres humanos nós temos poucas escolhas a não ser passar pela experiência de crescimento durante nossas vidas. Nossos próprios corpos irão nos forçar a isso, bem como nossas experiências e relacionamentos. Crescimento é inevitável, e a busca inteligente de novas experiências de crescimento podem fazer muito bem para nós, produzindo resultados medíveis. Mas nós precisamos ter certeza de que esses resultados medíveis positivos estão de fato se materializando. Se estamos crescendo de verdade, é melhor que tenhamos algo a mostrar.

E os resultados intangíveis? Certamente existem formas intangíveis de crescimento como aumento de conhecimento sobre si mesmo, um nível maior de consciência, paz interior, maior consciência emocional e assim por diante. Viciados em auto-ajuda, no entanto, frequentemente nomeiam erroneamente a sua falta de progresso real como algo intangível, crescimento interno ou psicológico. Se esse crescimento interno está realmente presente, a realidade externa da pessoa certamente o refletirá. Por exemplo, se você verdadeiramente adotou um “pensamento abundante”, você irá passar pela experiência de uma abundância financeira bem medível. Talvez você verá a sua renda e/ou o valor da sua rede aumentando ano após ano. Ou os números na sua conta bancária irão incluir mais dígitos do que de costume. Talvez você opte pela vida simples e viva no interior sem precisar se preocupar com dinheiro de qualquer forma.

Como esse pensamento na verdade se manifesta depende das suas crenças e valores, mas ele deve se manifestar de alguma forma externa se as mudanças interiores aconteceram de fato. Se a sua realidade externa é a de que você está se endividando, seu “pensamento de abundância” não é nada além de fantasia.

Se você realmente está crescendo internamente, sua vida irá revelar uma clara evidência de mudança positiva. Pode não ser uma mudança total em todos os aspectos da sua vida, e pode não ser qualificado como uma iluminação massiva, mas estará presente de alguma forma, e será observável. Vou mais longe ao sugerir que se você não pode medir o seu crescimento de uma forma tangível e objetiva, é de uma certeza virtual que você esteja vagando em auto-ilusão. Mesmo o crescimento subjetivo irá se manifestar objetivamente, e essas manifestações podem ser medidas. Se não existe nenhuma mudança perceptível exterior, então nenhuma mudança interior ocorreu.

Deixe-me dar alguns exemplos de crescimentos pessoais passíveis de medida em diferentes áreas da vida. Essa lista está longe de compreensão e é inevitávelmente baseada em seus valores, mas deve servir pra demonstrar algumas das várias formas onde o crescimento pessoal genuíno pode produzir resultados externos observáveis. Então por favor considere-o nesse aspecto ao invés de ficar se atendo aos detalhes.

Crescimento físico

  • correr/pedalar/nadar em velocidades maiores
  • correr/pedalar/nadar por distâncias maiores
  • conseguir novas faixas em artes marciais (faixa branca, faixa amarela, …, faixa preta)
  • melhorar o seu status em algum esporte
  • perder peso ou redusir a sua porcentagem de gordura corporal
  • ganhar massa muscular
  • reduzir centímetros da sua cintura
  • reduzir números das suas roupas
  • ser capaz de levantar pesos maiores e fazer mais repetições
  • fotografias de antes e depois que mostram uma clara melhora física
  • aumentar sua flexibilidade
  • diminuir o seu pulso (pressão sangüínea)
  • baixa pressão sanguínea e melhores resultados de outras métricas médicas
  • pele mais clara e com menos freqüência de acne
  • redução ou eliminação da dor
  • melhoria da postura (ombros sobre cintura, joelhos sobre tornozelos)
  • alcançar melhorias pessoais para desafios físicos ou testes de fitness
  • ouvir mais pessoas dizerem pra você “Você está ótimo”
  • ficar doente por menos tempo
  • ficar com menos dias doente por ano
  • fazer alterações de dietas significantes (orgânico, sem açúcar, vegetariano, vegana, cru, etc.)
  • dormir menos e ainda assim se sentir descansado
  • aumentar a sua velocidade de digitação
  • renovar seu guarda roupa
  • adquirir novas habilidades físicas (equilibrar-se, esquiar, dançar, jardinagem, massagem, etc)
  • parar de beber e fumar

Crescimento Mental

  • aumentar a sua velocidade de leitura/compreensão
  • construindo o seu vocabulário
  • adquirir novas técnicas de solução de problemas (mapeamento mental, Fourier transforms, etc)
  • dominar um novo campo de conhecimento
  • aprender a ter sonhos lúcidos
  • criar um web site
  • escrever um livro
  • compôr uma música
  • aprender a tocar um instrumento musical
  • aprender uma língua extrangeira
  • aumentar a exatidão da sua intuição
  • graduar-se em nível superior
  • desenvolver uma memória mais rápida e exata
  • aprender kumon
  • aprender a usar um novo software
  • aprender a jogar xadrez
  • aprender programação
  • implementar algum algoritmo pra um novo software
  • patentear uma nova invenção

Crescimento financeiro

  • aumentar a sua renda
  • aumentar a valia da rede
  • reduzir suas dívidas
  • adquirir novos bens
  • gerar renda passiva ou através de portfolio
  • aposentar-se financeiramente independente
  • doar para caridade
  • aprender contabilidade básica
  • criar um plano imobiliário
  • melhorar o seu portfolio
  • fechar negócios lucrativos
  • comprar uma nova casa
  • investir num imóvel
  • viajar o mundo
  • fazer uma poupança para faculdade de seus filhos
  • se tornar um milionário
  • alcançar um novo recorde de vendas
  • aumentar suas habilidades de negociação

Crescimento Social

  • conhecer novas pessoas
  • fazer novos amigos
  • fazer um clube
  • arrumar um namorado (a)
  • casar-se
  • ter filhos ou netos
  • recuperar-se da perda de um ente querido
  • fazer parte de uma peça local
  • fazer trabalho voluntário
  • perder a virgindade
  • se mudar pra casa de alguém
  • construir um Rolodex
  • dar e receber mais abraços
  • curtir novas experiências sociais
  • sair com mais pessoas novas
  • ser mais convidado para almoços, jantas ou festas
  • ouvir seu companheiro dizer “Estou feliz” mais vezes
  • formar um grupo de mestres
  • ser o mentor de alguém

Carreira e crescimento de negócios

  • cuidar do seu trabalho dos sonhos
  • começar seu próprio negócio
  • ser promovido
  • conseguir um aumento
  • conseguir um bônus maior
  • receber um prêmio
  • conseguir bons resultados de performance
  • ser chamado para trabalhar em projetos melhores
  • se tornar um administrador
  • fazer o seguro num valor maior para o seu departamento
  • contratar empregados
  • servir mais clientes
  • vender seu negócio
  • treinar seu sucessor
  • publicar seu trabalho

Crescimento Espiritual

  • aprender a meditar
  • aprender novas formas de meditação
  • passar pela experiência de outras tradições espirituais e sistemas de crença
  • demonstrar novos talentos psíquicos
  • praticar mediunidade
  • formar um círculo de desenvolvimento
  • se tornar um monge
  • descobrir e comprometer-se com seu propósito de vida
  • receber obrigado pela sua contribuição
  • manifestar seus desejos mais rapidamente (menos tempo entre a intenção original e a manifestação final)
  • aprender projeção astral
  • superar e encarar os seus maiores medos

Efetividade de crescimento pessoal

  • manter uma casa e um escritório bem organizados
  • pagar todas as contas em dia
  • ter pontualidade
  • fazer o seguro de um veículo decente
  • ter uma lista clara de objetivos e planos por escritos para serem alcançados
  • ter um sistema de administração de tempo funcional
  • rotineiramente conseguir uma caixa de e-mails vazia
  • superar a procrastinação

Crescimento financeiro

  • aumentar a sua renda
  • aumentar a valia da rede
  • reduzir suas dívidas
  • adquirir novos bens
  • gerar renda passiva ou através de portfolio
  • aposentar-se financeiramente independente
  • doar para caridade
  • aprender contabilidade básica
  • criar um plano imobiliário
  • melhorar o seu portfolio
  • fechar negócios lucrativos
  • comprar uma nova casa
  • investir num imóvel
  • viajar o mundo
  • fazer uma poupança para faculdade de seus filhos
  • se tornar um milionário
  • alcançar um novo recorde de vendas
  • aumentar suas habilidades de negociação

Crescimento Social

  • conhecer novas pessoas
  • fazer novos amigos
  • criar um clube
  • arrumar um namorado (a)
  • casar-se
  • ter filhos ou netos
  • recuperar-se da perda de um ente querido
  • fazer parte de uma peça local
  • fazer trabalho voluntário
  • perder a virgindade
  • se mudar pra casa de alguém
  • construir um Rolodex
  • dar e receber mais abraços
  • curtir novas experiências sociais
  • sair com mais pessoas novas
  • ser mais convidado para almoços, jantas ou festas
  • ouvir seu companheiro dizer “Estou feliz” mais vezes
  • formar um grupo de mestres
  • ser o mentor de alguém

Carreira e crescimento de negócios

  • cuidar do seu trabalho dos sonhos
  • começar seu próprio negócio
  • ser promovido
  • conseguir um aumento
  • conseguir um bônus maior
  • receber um prêmio
  • conseguir bons resultados de performance
  • ser chamado para trabalhar em projetos melhores
  • se tornar um administrador
  • fazer o seguro num valor maior para o seu departamento
  • contratar empregados
  • servir mais clientes
  • vender seu negócio
  • treinar seu sucessor
  • publicar seu trabalho

Crescimento Espiritual

  • aprender a meditar
  • aprender novas formas de meditação
  • passar pela experiência de outras tradições espirituais e sistemas de crença
  • demonstrar novos talentos psíquicos
  • praticar mediunidade
  • formar um círculo de desenvolvimento
  • se tornar um monge
  • descobrir e comprometer-se com seu propósito de vida
  • receber obrigado pela sua contribuição
  • manifestar seus desejos mais rapidamente (menos tempo entre a intenção original e a manifestação final)
  • aprender projeção astral
  • superar e encarar os seus maiores medos

Efetividade de crescimento pessoal

  • manter uma casa e um escritório bem organizados
  • pagar todas as contas em dia
  • ter pontualidade
  • fazer o seguro de um veículo decente
  • ter uma lista clara de objetivos e planos por escritos para serem alcançados
  • ter um sistema de administração de tempo funcional
  • rotineiramente conseguir uma caixa de e-mails vazia
  • superar a procrastinação

Não estou sugerindo que nenhum dos acima deveriam se tornar o foco principal da sua existência ou que qualquer um desses itens específicos devem ser importantes pra você como um indivíduo. Meu ponto é que se você está genuinamente buscando crescimento pessoal e não caindo na armadilha da ilusão de auto-ajuda, você deveria ser capaz de produzir uma lista similar para a sua própria vida. Se a sua busca para crescimento é efetiva, eu garanto que ela irá produzir resultados evidentes e tangíveis. Eu desconfiaria de qualquer um que diz que o seu resultado de auto-ajuda é puramente interno e não tem manifestações externas. Se essas iluminações são genuínas, elas devem eventualmente manifestar mudanças no mundo físico.

O propósito da auto-ajuda não é fazer perdurar resultados pífios e aprender como a se sentir bem com eles. É entrar na espiral positiva onde seus pensamentos, sentimentos, ações e resultados estão todos alinhados na direção dos seus objetivos E esse alinhamento está melhorando e melhorando e melhorando. Quanto melhor esse alinhamento fica, mais eficiente você se torna em estabelecer e alcançar objetivos significantes, objetivos dos quais outras pessoas além de você também poderiam se beneficiar.

Contanto que o seu foco final seja nos resultados, a busca de crescimento pessoal é uma das melhores coisas que você pode fazer para ajudar os outros por que ele pode aumentar dramaticamente a sua capacidade de contribuir. Uma pequena mudança na dieta pode adicionar vários anos produtivos a sua vida, um momento de inspiração pode te levar a começar um novo negócio que pode servir milhares de clientes e um aumento de confiança pode te ajudar a encontrar uma companheira. Quando a experiência de um de nós realmente cresce, todos nos beneficiamos dela.

É ótimo se sentir bem com a sua vida, mas se esses sentimentos são apenas um escape, você está simplesmente iludindo a si mesmo ao invés de fazer progresso pessoal. Progresso verdadeiro no reino do pensamento eventualmente irá se manifestar em forma física, e essa forma física involve levantar a bunda da cadeira. Na medida que você possui o seu único e próprio caminho de crescimento, seja guiado por inteligência sólida. Mantenha-se longe dos viciados em auto-ajuda bem como dos cínicos viciados. Opte ao invés disso pelo caminho da otimização de consciência.

Minha ferramenta favorita para tornar idéias em ações ainda é a tentativa de 30 dias. E se você precisa de algumas idéias de como começar em seu próprio caminho de crescimento, leia o Onde Começar o Seu Caminho de Crescimento Pessoal.

Tradução recomendada por Fabiano Caruso. Obrigada Fabiano.

pequeno_sepuku.jpg

Ontem traduzi + 10 tirinhas novas do Pequeno Sepuku. Ei-las:

Me diverti horrores traduzindo todas elas.

Espero que vocês se divirtam igualmente!

Todas as tirinhas foram préviamente autorizadas pelo Ken Cursoe, criador do Tiny Sepuku.

No site oficial do Tiny Sepuku (em inglês) existem links de volta pro meu blog do Pequeno Sepuku na seção Links e nesse mês o próprio Ken me mencionou nas News. Que alegria! ^^

Agora a pouco recebi um e-mail do Ken Cursoe me avisando que tem um link pro meu blog das traduções do Pequeno Sepuku lá no site oficial do Tiny Sepuku. Tenho trocado e-mails com ele desde o fim de outubro e tem sido bacana. Ele também me mencionou nas News, falando da minha tradução do Perry Bible e da Nemi (que ainda está por vir). Fiquei bem alegrinha!

Querem ótimos e impagáveis conselhos sobre relacionamentos? Visitem:

hdr_tiny.png

Imagem retirada do site Go Comics.

fun_bot-pt.jpg

+10 novas tirinhas traduzidas hoje. Acessem:

http://tpbf.wordpress.com/
http://tpbf.wordpress.com/
http://tpbf.wordpress.com/
http://tpbf.wordpress.com/
http://tpbf.wordpress.com/
http://tpbf.wordpress.com/
http://tpbf.wordpress.com/

Agradecimentos:

Inutilidades | Caldo de Tipos | Leite Azedo | O lôco, meu! | Savoir-Faire | Blog do Lyster | Blogui do Serbão | Cianeto e Felicidade | New Haircut

Links achados através das estatísticas de referência do WordPress e através das reações do Technorati.

+ + +

As traduções das tirinhas online do The Perry Bible Fellowship foram préviamente autorizadas pelo próprio Nicholas Gurewitch, criador das tirinhas, num e-mail enviado a mim por ele. É possível ler esse e-mail no post Nicholas Gurewitch respondeu meu e-mail, datado de 20 de setembro de 2007.

Aos visitantes, novos e antigos, obrigada e voltem sempre.

%d blogueiros gostam disto: