arquivo

Arquivo da tag: Moda

Tinha combinado com ele tal hora em tal lugar pra irmos juntos numa reunião. Ele é moreno, voz mansa, cara de paraguaio e cabelo de paraguaio. Pra quem não sabe, cabelo de paraguaio: preto, volumoso, semi-liso (mais pra ondulado mesmo) e comprido. Ele não era exatamente um cara bonito, mas o cabelo dele… Que cabelo! Reluzia. Lindo, brilhoso, sem caspa, parecia muito bem cuidado. Eu me cuidava ao máximo pra que ele não me flagrasse enquanto o admirava. Não gosto de passar a “impressão errada” pros outros. Não sei se isso chegou a acontecer alguma vez, mas acho que não. Enfim.. De qualquer forma, hoje, 14h30, sala de reuniões. Ok. Fui lá.

Cheguei lá, olhei rapidamente pra dentro da sala e não o vi. Fui na sala ao lado. “Alguém aí viu o Zé?”, resposta negativa. Ok. Passei na sala de reunião novamente e ele, cabelos curtos, curtíssimos, me chamou pra dentro. Fiquei meio chocada, não consegui conter o palavrão, mesmo com a reunião quase pra começar. “Porra Zé, assim não ia te reconhecer nunca!”. O cabelo dele que estava nos ombros hoje está tão curto que é possível enxergar as orelhas dele. FIquei estarrecida, mas aceitei de bom grado. Na verdade, depois que olhei duas vezes, percebi que ele ficou MELHOR de cabelo curto. Hoje eu percebi que os olhos dele são cor de mel. O rosto dele ficou mais iluminado, menos pesado. Ficou bom, mesmo por que ele tem o cabelo bom, etc.

Confesso sim que teve uma época na minha vida, que deve ter sido dos 13 aos 21, que eu achava absolutamente qualquer homem de cabelo comprido bonito. Hoje, felizmente, não acho mais isso. Na verdade, a maioria dos homens (mais velhos) que conheço que insistem (sim, insistem) em permanecer com os cabelos compridos (apesar da calvície muito mais do que evidente) não são exatamente bonitos. São sei lá,… Antiquados. A impressão que dá é que o cara não vai deixar de ser adolescente nunca, que ele não quer crescer, é isso. É claro que há casos e casos, existem contextos a ser observados e tudo o mais. Mas a verdade dolorida é que: nem todos os homens ficam bonitos de cabelo comprido.

De qualquer forma, eu acho atraente até hoje… Mas claro, depende do cara.. Nem todos são bonitos, mesmo. Em homens que não são calvos e que de fato cuidam, mesmo que minimamente, do cabelo, pode até ficar interessante. Mas não morro mais quando algum amigo diz que vai cortar as madeixas. Por mim que cortem, não tô nem aí, pra mim tanto faz. Acho que é por que hoje em dia já acho que a vaidade pode ser explorada de forma um pouco mais complexa do que simplesmente “deixar o cabelo crescer”. Aliás, deixar o cabelo crescer não chega exatamente a ser vaidade. A não ser pras mulheres, que cortam, pintam, fazem permanentes e o diabo. Com homens as possibilidades de vaidade são limitadas mas ainda acho que podem existir outras alternativas de vaidade que não tangem o metrossexualismo…

Tá. Não cheguei a essa conclusão ontem. Mas ontem que eu vi o lance de fora é que eu caí na real de uma vez por todas. E okay, não é só namorar não, é qualquer coisa mesmo: juntar, namorar, casar, essas coisas. O conheci há algum tempo. O cara é um gatinho até, gente fina. Já tinha ficado com ele há uns mil anos atrás… Enfim. Ele sempre muito elegante, sempre fazendo o tipinho ‘dark’ que eu tanto gosto e tudo o mais. O único problema é que ele era depressivo demais pro meu gosto. E eu simplesmente não agüento gente assim sabe? Tudo bem, a vida não precisa ser otimismo o tempo todo, mas sabe quando a pessoa além de ser negativa, é vazia? Então. Ele não chegava a me drenar, ele simplesmente era (é ainda talvez) vazio.

Já a menina, desde a primeira vez que a vi, a achei linda. Ela era bonita mesmo. À noite. Sério. Outro fato: produção é TU-DO nessa vida minha gente. Nunca tinha visto ela de dia, mas de noite ela era bonitinha sim, não era magrela, mas era magra, vestia umas roupinhas maneiras (coisas que eu nunca podia vestir, claro), tinha uma aparência igualmente ‘dark’, o cabelo bonito e tudo, etc. Não sei por que, mas ultimamente ando fascinada por esse assunto de aparência. Nunca foi a minha praia, mas agora anda sendo. Deve ser por causa das minhas mudanças mesmo. Ando me ligando muitíssimo nisso. Fútil, tudo bem. But I don’t care… Continuando..

Ontem saí de casa de tarde pra resolver pendências em vários lugares, eu, meu vestidinho branco, meu lencinho branco na cabeça, minha bolsa enorme de vinil e meu óculos escuro falsificado da Chanel (rá!). Okay. Vou indo toda bonitinha em direção ao Shopping e antes de entrar eu vejo as duas figuras. Un-fucking-believable, cara. Acho que dei o “oi” mais assustado de toda a minha vida. Ele, um pouquinho mais gordo, vestido de tiozão (juro pra vocês), com um chinelão, bermuda e regata verde (Argh!!! O horror!!!) e ela com um vestido cinza, com uma aparência über-péssima, misto de quem estava triste + com sono + olheiras imensas e também com alguns quilinhos a mais. Um horror. Ainda que eu tava de óculos escuros!

Assim… Não é por nada não,… Sei que não sou modelo, não sou miss, não entendo porra nenhuma de moda, nem de nada e que também não tô em posição de falar nada de ninguém, mas poxa… Foi triste ver aquilo. Doeu meu coração. A única coisa que eu conseguia pensar era “Por que? Por que? Por que deus meu, que quando eles estavam solteiros eles estavam TÃO melhores?”. Evitei pensar muito nisso pra não me engasgar com esse pensamento e conversei sobre trivialidades por uns 5 minutos antes de dar um rápido tchau. Foi esquisito, fiquei com uma sensação esquisita. Desnecessário dizer que eu fiquei passada, né?

Assim, acredito (acredito mesmo, sem sarcasmo e/ou ironia) que as pessoas devem se vestir do jeito que mais gostam, que tem mais é que ser felizes vestidas de qualquer jeito e com qualquer corpo mesmo,… Mas porra, porra, PORRA… Fiquei chocada. E me chocar não é uma coisa exatamente muito fácil de acontecer, por assim dizer. Ou talvez eu tenha mudado demais e não tenha me dado conta.

joia-headwrap.jpg

Sei que não parece, mas esse assunto é pertinente pra caramba. Procurei internet afora e só achei dicas boas mesmo em sites gringos. Vou traduzir a melhor que encontrei pra cá.

Lenço da Cabeça

1. Coloque o lenço na cabeça, desta forma;

2. Puxe o lenço bem apertado na cabeça;

3. Torça-o;
4. Dê um nó no lenço;

5. Prontinho.

Embrulho da Cabeça

1. Dobre o lenço diagonalmente;

2. Continue dobrando-o;3. Coloque o lenço dobrado atrás da cabeça;
4. Puxe as pontas bem apertadas;

5. Enrole firmemente em volta da cabeça.
6. As pontas devem terminar na frente da cabeça;

7. Look final. ;D

Fonte: KangaUSA – Sarong & Sarongs, Kanga & Kangas – Genuine African Clothing and African Clothes.

stencil-camiseta003.jpgJuntar o útil ao agradável é sempre bom. Eu não lembro exatamente onde eu tropecei no link com o .pdf de como fazer isso, mas enfim, eu achei e salvei. O original encontra-se no site Esquadrão Atari – e dúvidas posteriores podem ser resolvidas em camisetas@esquadraoatari.com.

Acho que fazer stêncil de rua, daqueles que a gente encontra por aí, é mais difícil e requer muita criatividade. No meu caso, eu só gosto de letras e simbolos geométricos mesmo, coisas mais simples, mas que fiquem atraentes. Acho que algum dia vou encarar fazer isso só por diversão mesmo, pois tenho várias idéias em mente. Cada um faz stêncil de um jeito diferente, mas o que importa é o resultado: algo que seja original e autêntico.

Basicamente o texto que segue é um ultra-resumo do .pdf que eu encontrei. Acho legal deixar registrado aqui no blog não só pra que mais gente encontre isso, mas pra que eu também consiga encontrar um dia, pois vivo perdendo arquivos, excluindo coisas sem querer, etc.

Material básico:

01 Camiseta velha
01 Pode de tinta especial para tecido
01 Pincel de cerda dura, tipo “trincha”
01 Caderno de jornal velho
01 Folha de acetato, fotolito, radiografia, ou qualquer plástico grosso
01 Estilete bem afiado
01 Fita crepe

Como fazer:

1. Escolher uma boa imagem, simples e direta, com um contraste bastante alto. (eu que adoro letras e imagens geométricas, vou me jogar..)
2. Medir o desenho no corpo, sobre a camiseta, pra se ter uma noção mais exata possível de onde o desenho irá ficar.
3. Antes de pintar, colocar muitos jornais velhos na parte interna da camiseta, na área do desenho, para que a pintura não “sangre” e manche o outro lado da camisa. A fita crepe ajuda a manter a estabilidade tanto da camisa quanto do stêncil.
4. Aplicar a tinta especial para tecido sem diluí-la, com movimentos curtos, de cima pra baixo.
5. Esperar a tinta secar, de acordo com as instrução do pote.

Dicas do Danielectro:

* Normalmente a tinta seca ao toque em 1 hora, e a camiseta pode ser lavada na máquina depois de 3 dias. É bom evitar usá-la nesse período, pois o suor e outros líquidos podem estragar a tinta.
* Caso queira aplicar uma tinta clara em um tecido escuro, convém aplicar duas demãos de tinta. Espere até que a primeira seque ao toque, e aplique a segunda.

Imagem retirada do blog Aleatório, do Vitor Hugo…

%d blogueiros gostam disto: