arquivo

Arquivo da tag: Impotência

Tive um pesadelo horrível essa noite. Quero saber até quando esses pesadelos vão continuar acontecendo. Foi ridículo. É ridículo. Sonhei que estava indo embora de um lugar às pressas e vieram me importunar. Vieram me xingar, me destratar, tirar o meu chão. Me desestabilizar de algum modo. Me senti a pior pessoa do universo. Não soube reagir de imediato. Deixei que toda a grosseria possível tomasse conta por uns três minutos e aí perguntei “é sério que você veio atrás de mim só pra me xingar? por que você não procura a tua turma e não me torra a porra do saco? você não tem mais o que fazer da vida não? você não entendeu o meu recado? meu recado é: VÁ EMBORA. Eu não quero você aqui. Eu só quero que você vá embora”. Mas parece que as coisas não vão embora até que elas nos ensinem a lição que precisam nos ensinar. E, aparentemente, eu ainda não aprendi o que preciso. Infelizmente.

Geralmente eu vou e volto de ônibus, lendo algum livro. Hoje voltei apenas pensando, em várias coisas. Não conseguia parar de pensar nas coisas, analisá-las, ver melhores saídas,  ver muitas coisas, não conseguir ver nada. Minha cabeça doía muito e eu raramente tenho dores de cabeça. Quis morrer dentro daquele ônibus, assim, de repente, um aneurisma, alguma veia que estourou na minha cabeça e me deixou retardada e dependente dos outros pra sempre. Quem disse que já não sou assim, não? Nem sequer preciso de um AVC… Sei lá. Enfim… Não me lembro a última vez que me senti tão exausta. Não sei bem o que acontece. Na verdade até sei. Na verdade mesmo eu só suspeito. A verdade é que eu me sinto impotente e nada posso fazer quanto a absolutamente nada. É difícil descrever a sensação de impotência… Só sei que a vontade é de morrer, mesmo. Não há nada além disso. Choro facilmente, continuo chorando, não há o que fazer de qualquer forma. Não há “você é melhor que isso”, não há “vai melhorar”, não existem outras coisas boas que irão me ajudar a sair disso. Há apenas isso que me detém, que me humilha… Que faz eu me sentir não-humana. A sensação é de que isso irá perdurar e arrumar seu espaço, sua casa, sua decoração. Há 2 semanas não há ninguém pra me ouvir de verdade, genuinamente. Imaginei que fosse sentir tanta falta. Chove lá fora, choro copiosamente, encosto a cabeça no vidro da janela, estremeço e quase durmo, mesmo com todas as curvas, mesmo com todo o barulho. Queria desabar em algum sonho e não voltar nunca mais. Me sinto tão cansada. Tão cansada disso tudo. Mas aí cheguei no meu ponto, desci e fui pra casa. Está tão frio por esses dias..

 

%d blogueiros gostam disto: