arquivo

Arquivo da tag: Gatos

Sempre quis ter bichos de estimação, sempre me achei incapaz. Incapaz de receber amor e de proporcioná-lo. Nunca foi tanto questão de grana. Agora, tenho sentido um medo muito terrível. Um medo de tudo. Decidi há algumas horas que irei adotar três gatas. A ideia inicial era adotar apenas duas, para que uma fizesse companhia para outra. Serão três porque são irmãs, já brincam juntas e não quero separá-las por puro capricho meu. Elas são bebês, tem 2 meses e meio. Nasceram dia 10 de março. Não castradas. Não vacinadas. Não nada. As quero. As três. Já adiei isso por tempo o suficiente. Já esperei – pela hora certa – por tempo o suficiente. Estava começando a ficar triste com isso, de verdade. Isso estava começando a me deprimir. E agora estou com medo de absolutamente tudo, como se isso fosse o oposto de estar deprimida. Nunca tive animais. Não sei cuidar. Não sei dar carinho. Não sei brincar. Sou um pouco alérgica. Me apego à ideia de que serei uma péssima dona. Como vou conseguir levar todas ao veterinário ao mesmo tempo? Trabalho longe. Passo boa parte do tempo fora de casa. Não vou conseguir dar conta. E todos esses problemas. A verdade é que o papel de dona é o que menos me preocupa. Na verdade talvez eu precise aprender que não sou dona, de nada, mesmo. Acho que, acima de tudo, estou mesmo é com medo do que vou sentir. Do que já estou sentindo. Silvia me mostrou algumas coisas sobre isso. Ela diz que bichos não precisam fazer absolutamente nada para que nós os amemos. Acredito que esse seja o medo maior. E tenho medo justamente porque me identifico com isso bem mais do que gostaria. Soube que elas já me tinham assim que escolhi seus nomes. Soube que daria conta – não importando o quê – assim que me vi reservando e criando espaços para elas em meu próprio espaço, que já é pequeno. Acho que já estou preparada para me tornar hóspede da minha própria casa. Um pouco de medo, um pouco de assombro, um pouco de dor. Sempre. Parece que é assim mesmo.

Sempre volto tarde do trabalho. Em frente ao prédio onde moro, existe uma escola pública. Se não me engano, todas terças (ou quintas) quando volto do trabalho, por volta das 22:30, uma senhorinha oriental está na frente dessa escola, alimentando uns gatos. São muitos gatos, muitos mesmo. Sem brincadeira, devem ser uns 30 gatos que moram nessa escola e que, curiosamente, só aparecem à noite. São todos ariscos, menos quando ela traz comida. Eles nunca se arriscam a passar da grade e não gostam que ninguém encoste neles. Já vi essa mulher, várias vezes, alimentando os gatos na chuva, tarde da noite. A acho meio louca, mas no fundo sinto inveja dela. Dia desses ela me perguntou as horas. Eram quase 22h. Sempre quis ter um gato, em casa. Mas a verdade é que eu não tenho comprometimento nenhum, com nada em particular na minha casa. Não teria com um gato. Também tenho umas de achar que se eu tivesse um gato ele talvez me odiasse. Não seria um gato amoroso, como eu acho que preciso. Enfim. Dia desses me peguei pensando em comprar ração pra gatos e ir ali alimentá-los. Já devo ter pensado nisso umas duas ou três vezes. Mas acho que não tenho coragem de fazê-lo. Já existe alguém que o faz. E eu não gosto das coisas pela metade.

%d blogueiros gostam disto: