arquivo

Arquivo da tag: Aconteceu Comigo

Se tratava de um antigo jogo, sem nenhum fim aparente. Um jogo que já não oferecia qualquer prazer, ou que não exigia muito comprometimento mas que era jogado sobre o pretexto de se estar perdendo algo realmente importante, e assim, perder toda uma vida. Há tempos as peças desse jogo estão em posições confortáveis, e seus movimentos mesmo os mais rápidos e engenhosos, são previstos sem dificuldade. No entanto, se existe um jogo infindável, de eternos vencedores circunstanciais, esse é o jogo. As peças rodam sem sentido sob um tabuleiro velho e descolorido em cujo fundo acumulam-se cupins, parasitas, micróbios e tudo que só sobrevive corroendo, parasitando e denegrindo. Há um espaço vazio no meio desse tabuleiro velho e que pode facilmente ser compreendido como defeito. Os melhores jogadores, os campeões de todos os tempos admitem uns com tristeza outros com desdém, que ali não há graça e que alguém deveria já há muito tempo ter arrancado fora aquele espaço que não admite o jogo. Ali, inabitável, esse vazio assistiu as mais maravilhosas jogadas de bons e maus jogadores, coisa que com certeza condensados os séculos, já não é mais novidade, mas que se for possível organizar os acontecimentos de sua suposta memória, se veriam grandes esforços, conquistas inenarráveis, artimanhas incríveis e trapaças indecifráveis registradas historicamente como um dos maiores momentos da humanidade. É mesmo possível que esse vazio nunca seja preenchido e que qualquer tentativa de preenchê-lo não leve à nada. Um dia, talvez nauseados, troquem de jogo. Mas é coisa pouco provável, que não acuse defeito assim como este outro. Não se obtem garantia nenhuma em um caso assim. O que ainda há, são anedotas de anciões desatinados, à beira da morte, e que nunca aprenderam a jogar. Na verdade são perdedores. Gagás e turvos eles dizem que naquele restrito espaço, à revelia dos demais, ouve-se um burburinho estranho e incessante de parque de diversões vazio.

(K. L.)

I like you, and I’d like you to like me to like you
But I don’t need you
Don’t need you to want me to like you
Because if you didn’t like me
I would still like you, you see

La la la
La la la

I lick you, I like you to like me to lick you
But I don’t need you
Don’t need you to like me to lick you
If your pleasure turned into pain
I would still lick for my personal gain

La la la
La la la

I fuck you, and I love you to love me to fuck you
But I don’t fucking need you
Don’t need you to need me to fuck you
If you need me to need you to fuck
That fucks everything up

La la la
La la la

I want you, and I want you to want me to want you
But I don’t need you
Don’t need you to need me to need you
That’s just me
So take me or leave me
But please don’t need me
Don’t need me to need you to need me

Cos we’re here one minute, the next we’re dead
So love me and leave me
But try not to need me
Enough said

I want you, but I don’t need you

La la la
La la la

I love you, and I love how you love how I love you
But I don’t need you
Don’t need you to love me to love you
If your love changed into hate
Would my love have been a mistake?

La la la
La la la

So I’m gonna leave you, and I’d like you to leave me to leave you
But lover believe me, it isn’t because I don’t need you (you know I don’t need you)
All I wanted was to be wanted
But you’re drowning me deep in your need to be needed

La la la
La la la la la la la la la

I want you, and I want you to want me to want you
But I don’t need you
Don’t need you to need me to need you
That’s just me
So take me or leave me
But please don’t need me
Don’t need me to need you to need me
Cos we’re here one minute, the next we’re dead
So love me and leave me
But try not to need me
Enough said
I want you, but I don’t need you

[Momus – I Want You But I Don’t Need You]

Juro nunca mais ser gentil
Para sempre ser severa
Pois o amor é difícil de lidar
Pois o amor lhe roubará a visão
O fardo da santidade
A tentação em ajoelhar-se
O medo mudo de ser pega
Em vapores de pecado

Nós cantamos do vácuo
Nós queimamos com amor
Tão estranhamente melancólicos
Tão estranhamente completos
Em algumas horas ébrias
Em algumas palavras céleres
De nossas bocas salivantes
Perdermos tudo para que aqui viemos

Se você fosse meu
Eu coraria um pouquinho
E morreria

[Rome, Das Feuerordal]

%d blogueiros gostam disto: