Memorial

Gosto dos meus pés. Não cuido deles como deveria. Eles são chatos, mas ainda não tenho joanetes. Não acho que eu vá ter. Faço pedicure raramente, só quando me incomoda. Meus pés tem pêlos, que tiro de vez em quando, quando os noto. Acho que só eu os noto. Minhas panturrilhas são tatuadas, na parte de trás, triângulos, losangos, retângulos. Preto e pele e pêlos indígenas, esparsos, finos, que parecem muitos mas na verdade não são tantos assim. Espero meses até resolver retirá-los. Tenho preguiça. Tenho vários pêlos encravados. Queria poder fazer um tratamento de esfoliação, mas não tenho tempo, nem dinheiro. Deixo estar. Meus joelhos estão ok. Há algum tempo já não estalam mais. Acho que joelho estalar é uma coisa da idade, não tem como evitar, parece que acontece com todo mundo. Nunca gostei muito das minhas coxas. Grossas demais, moles demais, pêlos finíssimos. A parte do moles demais dá pra resolver com academia, eventualmente. O engraçado é que, no espelho, sempre vi a parte da frente das minhas coxas. Esses dias, passando creme eu descobri a parte de trás das minhas coxas, bem debaixo da minha bunda… E não gostei muito do que descobri não. São ásperas. Não sei bem porquê, mas são. Vou ter que aprender a gostar disso também, ou ainda, tratar isso. Não gosto do meu culote, mas não há muito o que se fazer nesse sentido. É tudo muito enorme e não acho que vá diminuir algum dia. Minhas ancas, idem. Me acomodo nos lugares, essa é uma parte que me protege e que deveria ignorar menos, deveria dançar mais. Vai fazer um ano que tenho uma Kundalini, imensa, tatuada no cóccix. Gosto dela. Devia colori-la, mas não sei se vou. Tenho outras coisas em mente. Minhas costas ainda tem dobrinhas, umas três. Não vejo tanto minhas costas quanto deveria, nelas tem tatuagens que nunca lembro. Minha barriga é enorme, cheia de estrias e com um umbigo redondo, quase sem pêlos. Tenho cinco cicatrizes na barriga por conta da cirurgia, destas cinco, três foram perfuradas duas vezes, no mesmo lugar. Doeu, sarou. Sou gorda, mas tenho uma cintura alta e bem demarcada. Tenho tatuagens nas duas costelas, duas frases, uma partitura, plantas, plantas entre os seios, também. Curto os meus seios. Assimétricos, caídos, meio empinados. São espetaculares. Eles tem cicatrizes bem feias de uma cirurgia de redução que fiz com 16 anos. Meus mamilos são escuros, assimétricos e agora, sem piercings (já foram furados, no mesmo local, 3 ou 4 vezes, não me lembro e estou com preguiça de furá-los novamente, mas daqui a pouco a vontade volta). Meu colo é ok, tem algumas tatuagens, mas é um lugar que nunca parei pra prestar atenção realmente, talvez devesse prestar mais. Tenho braços de nonna polenteira sim e os acho ok. Meu braço esquerdo é fechado de tatuagens, algumas que amo, uma em particular que odeio, mas convivo. Não sei o que fazer dela. Meu braço direito tem 3 tatuagens e pretendo fazer mais, mas ainda estou sem idéias. Meus braços (e resto do corpo também) tem vários arranhões e unhadas devido à 3 gatas com quem convivo. Minhas mãos são ásperas, rudes e nunca consigo manter minhas unhas longas por muito tempo. Minhas mãos são bem masculinas e gosto delas. Vivo pintando minhas unhas apenas com duas cores: preto ou vermelho. Vez em nunca surge uma cor neutra, cinza, bege, marrom, etc. Acho o meu pescoço peludo mas isso é loucura da minha cabeça. Acho que ele não aparece muito. Ou talvez eu não o veja muito, não preste atenção. No meu pescoço fica a minha tireóide, que não presta pra nada e se auto-destrói se eu não tomo o remédio. Meu rosto tem se suavizado, cada vez mais, de uns anos pra cá. Semana passada chamaram os traços do meu rosto de herméticos e fiquei um pouco intrigada. Jamais tinha reparado nisso. Poucos cravinhos, uma marca de catapora no meio da testa, sobrancelhas grossas, raramente feitas, que escurecem o meu rosto se não as faço. Não gosto do meu nariz de batata, mas todas pessoas que me amaram adoravam isso em mim, então não deve ser tão ruim assim. Minha boca é a única coisa de perfeitamente simétrica que tenho no meu corpo. Tenho um dente da frente levemente quebrado e tenho preguiça de ir arrumar. No meu queixo nascem pêlos às vezes, por conta de hormônios malucos. Gosto muito dos meus olhos. Duas turmalinas, muito expressivas, que nunca escondem o que eu penso nem o que eu sinto (felizmente e infelizmente). Uma das coisas mais bonitas que já vi em mim mesma são meus olhos quando estou profundamente apaixonada. São olhos raros, de entrega. Meu rosto se ilumina inteiro também quando eu sorrio e ilumina tudo ao meu redor. Os outros não devem perceber, mas enfim, isso não é exatamente um problema. Minhas orelhas tem 7 furos na esquerda e 5 na direita, dois alargadores de 10mm. E meus cabelos são meu maior motivo de vaidade, por mais que não pareça. Consegui destruí-lo fazendo uma permanente quando era muito nova e ele nunca mais foi o mesmo. Ele é ralo, fino e cai bastante (ultimamente, tem caído muito mesmo). Não me importo em ficar careca, já fiquei uma vez. Agora ele está curto, ele é liso, sempre foi e castanho, com alguns fios brancos despontando das têmporas. Não prefiro o meu cabelo curto, mas gosto dele assim, é prático e dizem que combina comigo. Mas quero vê-lo crescer, novamente. Ele nunca foi tão longo quando eu gostaria e talvez eu tenha que me resignar com isso. Não consigo usar cortes, pintar, nada disso. Sempre uso o cabelo escorrido, sem corte, sem pintura, nada. Talvez quando ele ficar maior use tranças. Vamos ver como fica daqui algum tempo.

Os comentários estão desativados.

%d blogueiros gostam disto: