A incrível geração que está cagando para os seus protocolos sociais

por Débora Nisenbaum, no Medium

Eu particularmente estou um pouco cansada de ler tantos textos falando mal da minha geração. Tenho vinte e poucos, sou parte da geração Y, millennials, ou sei lá qual é o nome mais hype que estão atribuindo no momento. Tento compreender isso como aquele fenômeno de que toda geração acha que é melhor do que a próxima, mas penso que certos estereótipos que estão sendo criados não valem a pena.

Rolam por aí ideias de que a nossa geração é preguiçosa, de que a gente quer conquistar tudo sem trabalhar duro por isso, de que achamos que somos especiais, e finalmente a mais esquista de todas: a de que não sabemos nos relacionar com as pessoas. Somos superficiais, interesseiros, falta amor. Por causa do Tinder, do Facebook, do Twitter, do botão unfriend e das altas taxas de divórcios.

Então vou dividir com o mundo os meus vinte centavos sobre o assunto: o grande problema é que a gente sabe se relacionar de uma forma mais livre, menos dramática e com menos firulas do que as gerações anteriores. E vou explicar por quê: nós estamos quebrando protocolos sociais.

Sabe aquele seu Tio Francis que despreza seu sonho de trabalhar com desenvolvimento de videogames e sempre que tem a chance fala mal do seu cabelo? Então, ao contrário do que dizem seus outros parentes, Tio Francis não te ama. Esse não é o jeitinho dele de demonstrar afeto. Ele não fala essas coisas porque se preocupa com o seu futuro. Tio Francis é apenas um escroto. Ele gosta de te colocar pra baixo.

Os nossos pais, tios e avós tem o costume de dar muita corda pro Tio Francis, tanto o seu, quanto os Tios Francis individuais de cada um deles. Mandam felicidades no aniversário, fazem reuniões de família para visitá-lo, montam grupo no WhatsApp pra compartilhar umas piadas sem graça e trocadilhos infames feitos com emojis. Essa relação com o Tio Francis, que só traz amargura pra sua vida (seja na forma de reprovação da sua profissão, de desprezo pela sua escolha religiosa ou orientação sexual, de comentários infelizes a respeito da pessoa que você ama) é empurrada com a barriga pra manter aparências e status quo.

E quem se fode nessa equação? Vocezinha(o), que tem que manter na sua vida relações horrorosas baseadas numa eterna punheta social por algum motivo bizarro, como para não machucar os sentimentos da Vovó Matilda, que é mãe do Tio Francis. Ou porque vai ficar chato pro seu irmão, que trabalha na firma dele. Pra quem não sacou até agora, Tio Francis é uma metáfora pra qualquer amigo, “primo de consideração”, parente, namorado ou colega de trabalho. Às vezes, Tio Francis é aquele cara que emprestou uma grana pro seu pai quando ele tava falido. Outras, ele é aquele primo que é racista e homofóbico, mas-é-um-amor-de-pessoa.

Imagem: Tumblr

E aí que tá: as pessoas da nossa geração não estão dispostas a participar disso. A gente tá de saco cheio de preservar relações tóxicas por causa dos pudores ou pendências de outrem. Nós cortamos o laço mesmo, porque a gente não precisa disso pra viver. Não vamos telefonar, não vamos na festinha de aniversário e com alegria perderemos aquela oportunidade única de visitar o Tio Francis. Não queremos casamentos falidos pra manter aparências, amizades sanguessugas, relações familiares que te consomem e te fazem sentir a criatura mais inútil do planeta. Precisamos, sim, de gente que nos ama, que nos ampara, que aceita as nossas maluquices, ambições e júbilo ao compartilhar um post de gatinhos vestidos como personagens de Game of Thrones.

Aquele papo de que relacionamentos exigem sacrifícios, de que o amor dói mesmo, que relações são difíceis e exigentes, pra gente não tá mais colando.O que é querido, o que eu prezo e quero perto de mim, não é pra machucar. Não é pra doer nem pra me fazer sofrer, é pra ser gostoso, é pra dar aconchego, harmonia e tesão. A gente curte o amor-pássaro do Rubem Alves, que é livre para voar, mas daí pra ele cagar periodicamente na nossa cabeça já não dá.

As nossas relações, pra quem vem de outro background (que carrega consigo outros costumes e hábitos), podem parecer vazias e apenas virtuais, mas não são. Nós encontramos pessoas queridas com tanta frequência como se fazia antigamente? Talvez sim, talvez não. Eu vejo meus amigos mais próximos uma vez por semana. Outros, nunca vi pessoalmente, conheço só pela internet. O que posso dizer é que esses laços são muito intensamente vividos e aproveitados; o nosso tempo (que é raro, porque a gente trabalha pra cacete num sistema falsamente meritocrático e contraprodutivo inventado por pessoas como o Tio Francis) é gasto naquilo que realmente nos interessa e com pessoas que de fato nos fazem sentir bem.

A gente também não se sente culpado por ter relações curtas. Qual o problema de transar com aquele cara do Tinder e nunca mais ligar, se vocês só queriam sexo mesmo? Ou aquela amizade de verão maravilhosa, que foi boa enquanto durou? Pra que tentar ficar achando significado e profundidade em lugares que não precisam disso? A gente já superou o carpe diem, o neoqeav, o nada-acontece-por-acaso e estamos em paz com a noção de que relações humanas não duram — e nem precisam durar — para sempre. E isso não significa que somos frios, afinal a gente faz vaquinha virtual pra financiar o projeto artístico, intercâmbio e cirurgia do cachorro de gente que nem conhecemos.

Portanto, caros antecessores e precedentes, acho legal avaliar e compreender que fazer as coisas de um jeito diferente do de vocês (e isso vale pra relações humanas, formação, empregos e modus operandi no geral) não significa fazer errado. Pode ser que a gente queira abraçar o mundo, salvar todos os golfinhos e criar o milésimo grupo de apoio para algum problema (sério, vocês já viram quantos a gente faz?). Mas talvez a motivação pra falar tão mal da nossa geração seja, bem lá no fundo, o desejo de ter a nossa fluidez.

Os comentários estão desativados.

%d blogueiros gostam disto: