Deuses desconhecidos

Se você acredita em amor, você acredita em um deus e não sabe.

Queria que me provassem que o amor existe. Até hoje duvido de sua existência. “Mas e o amor de mãe?”. É interesse. Interesse em procriar, em deixar um legado. Em possuir alguém para talvez cuidar de você no futuro. Interesse egoísta em, supostamente, trazer ao mundo o que há de melhor em vocês. O que existe são interesses, apenas.

Interesse afetivo.
Interesse sexual.
Interesse intelectual.

De influência. De necessidade. De segurança. De vontade.
Que às vezes coincidem e sincronizam. Às vezes, não.

O amor é uma farsa que nos repetem (nos vendem, nos ensinam, tudo a mesma coisa) desde pequenos e, pela repetição, acabamos por acreditar que existe de algum modo. Pior ainda: acabamos por acreditar que algum dia exista para nós, conosco. Mas a verdade é que não existe não. É faz de conta. É inclusive o amor é o melhor amigo imaginário de muitas pessoas que eu conheço.

Essas pessoas são felizes, eu acho.

Elas possuem uma habilidade da qual eu
Acredito ser
Completamente desprovida:

Elas amam.

[…]

O amor é um placebo

Que nos enfiam

E nos metem

Goela

Abaixo

E engolimos

Sorrindo

Porque

Não nos resta

Mais

NADA

Além

Disso.

Os comentários estão desativados.

%d blogueiros gostam disto: