Pessimismo, derrotismo, fracasso, etc.

O que fazer quando se quer evitar um pensamento? A verdade é que não há o que ser pensado. O estranho é que sempre me aparece um pensamento com ternura… Mas que ternura é essa? Isso é errado. É mentiroso. O cérebro é bastante mentiroso. Entendo que pensamentos e lembranças sejam diferentes, mas eles são curiosamente interdependentes. O fato é que, absolutamente nenhuma lembrança recente faz referência nenhuma ternura ou amorosidade. Então por que me lembro como se por algum momento houvesse? Por que o cérebro faz questão de preservar lembranças mais antigas ao invés de preservar as mais recentes? Lembranças antigas hoje já são mentiras, não existem mais e por isso não faz sentido nenhum preservá-las. Não faço idéia de porque são preservadas. O importante é preservar o agora e ele funciona da seguinte maneira: as pessoas mudam o tempo todo, nada é previsível e nada será como já foi algum dia. Mas é sempre mais saudável e seguro acreditar que a tendência é que o que já está ruim e já é trágico por si só, piore para além dos limites do insustentável. Então, realmente, por que a insistência?

Os comentários estão desativados.

%d blogueiros gostam disto: