Arrependa-se

Ontem, antes de ir embora de volta pro estado onde mora, minha mãe me deixou uma cartinha. Ela sempre me deixa cartinhas longas, dizendo várias coisas amorosas, coisas de mãe. Essas cartinhas dela nunca são surpresas pra mim, na verdade são até mesmo bem previsíveis. Ontem ela me deixou um envelope mais modesto. Guardei na minha bolsa, entre as minhas coisas e esqueci dele lá. Sempre esqueço. Agora a pouco estava arrumando algumas coisas e acho o envelope. Resolvo abri-lo e está escrito assim:

Isadora!

Viva!
Crie! Sorria!
Realize! Ouse!
Arrependa-se!
Mas jamais desista!
Beijos de
amor incondicional
Neide

(grifo meu)

A objetividade me surpreendeu bastante. Mas particularmente a palavra “arrependa-se” mexeu muito comigo. Acredito que era uma palavra que eu estava precisando ler. Acho que finalmente a minha mãe aprendeu algo de valioso comigo. Que a vida não é só feita de proteção e de coisas boas e que as filhas dela também podem e devem errar.. Querendo ela ou não, a gente sempre sofre de algum jeito ou outro, independente de qualquer proteção maior que ela possa oferecer. E que nem todo arrependimento é triste ou prejudicial, e que sim, podem ser entendido como lição… Mesmo que demoremos anos pra entendê-lo como tal.

Outro detalhe que me chamou muito a atenção: desta vez ela não colocou data nem hora no cartão em que escreveu. Muito interessante. Bom saber que ela se importa um pouco menos com a temporalidade. Só espero que não seja apenas com as coisas que escreve..

Os comentários estão desativados.

%d blogueiros gostam disto: