Como parar de sofrer pelo ex-namorado?

[Update – 04/05/2014]

As situações para que um término exista são complexas e cada caso é um caso. Pessoalmente tenho tendência a pensar que, se as coisas não deram certo, é porque simplesmente não eram pra ser. E isso é totalmente normal. O luto por uma pessoa que amamos tende a durar de 3 a 4 anos, mas pode durar a vida toda (“Essa ferida, meu bem, às vezes não sara nunca. Às vezes sara amanhã”). Pessoalmente acho que sair de um relacionamento para entrar direto em outro exaustivo. Também não recomendo promiscuidade. É uma forma de tentar lidar com a dor, só não é muito eficiente.

Aprenda a ficar sozinha. Melhor que isso: aprenda a ser sozinha. Isso não é o fim do mundo. Não é apenas uma questão de auto-estima, mas principalmente de auto-conhecimento. De saber quem se é e de ficar em paz consigo mesma. Quando sabemos quem somos e o que queremos, as coisas se desdobram com mais facilidade na nossa vida. Quando descobrimos essas coisas, fazemos a descoberta essencial – que é um segredo que cada pessoa contém em si.

Tenha um trabalho ou simplesmente faça algo que tenha significado pra você. Realize coisas não das quais necessariamente você se orgulhe, mas que você perceba que efetivamente ajudou outras pessoas ou deu significado à vida delas de alguma forma. Entenda este tipo de reconhecimento do seu trabalho como uma parte essencial do que você faz – não aceite nada menos que isso. No entanto, sirva primeiro às pessoas e depois à si mesma.

Sobre “nunca mais amar de novo” e outras afirmações do tipo, proponho apenas que antes de qualquer coisa você aprenda a amar os outros sem esperar absolutamente nada em troca. E eu, mais do que ninguém, sei que é difícil mas por favor tente, mesmo, não se afundar em amargura. Ame. Continue amando, independente do que tenha acontecido. E não seja mesquinha: ame as pessoas das formas mais variadas possíveis (não existe só uma forma de amor). O amor verdadeiro nos torna autônomos, jamais o contrário.

Por último e não menos importante: lembre-se de quem você é. Tente viver da melhor forma possível, cuide de si mesma e faça coisas que a agradem (e eu te digo que essas coisas não serão necessariamente fáceis de se fazer…). Se distraia. Tire fotos. Escreva, escreva, escreva. Fique em silêncio numa praça. Entenda livros, filmes, músicas, arte – existem mil vidas que você pode viver dentro de cada uma dessas coisas. Se olhe, literalmente, no espelho. Observe seu envelhecimento ou apenas observe você não mudar. Mas lembre-se do que você tem e de quem você é e possua um amor por si mesma que seja capaz de se retroalimentar, que seja sustentável.

É difícil parar, completamente, de sofrer por uma separação. A separação de qualquer coisa é difícil: de uma cama quente numa segunda feira chuvosa, de ir para uma escola e termos que interagir com pessoas estranhas, de um peito com leite que parece nunca vir, de um útero do qual somos obrigados a deixar. As separações são sucessivas e fazem parte da nossa vida, o tempo todo, por isso digo que esse é um pedido que entendo quase como impossível.

Só posso pedir que você espere até que acabe e que viva e faça coisas por si mesma nesse processo. Mas a verdade é que nunca acaba…

[Update – 17/08/2009]

É impossível parar de sofrer de amor por quem quer que seja. A gente vai sofrer pra sempre até a dor minguar ou até termos um pouco mais de auto-controle sobre os nossos atos e um pouco mais de auto-estima. É preciso viver e deixar viver. Falando assim, parece fácil.. Mas sei que não é, pois já passei por isso por muitos anos. Minha dica é a mais paradoxal de todas: deixe tudo como está e mude o que existe dentro de você. É um bom começo.

[Escrito originalmente em 11/12/2006]

Hoje acharam o blog pelo google através dessa pergunta. Morri de rir. Primeira coisa que pensei: “que tipo de gente procura sobre isso no Google, porra?!”. Segunda coisa: “Coitada dessa pessoa… Entrou num blog de alguém que falhou miseravelmente com isso…”. Pois é… Sou um péssimo e reprovável exemplo. Eu até que queria achar a resposta pra isso… juro que queria. Mas acho que não vou achar… Nem no google e nem fora dele. Fazer o quê…

Os comentários estão desativados.

%d blogueiros gostam disto: